Percy Shelley

     

   Autores

   
Obras do Autor
   
"Não há perigo para um homem que sabe o que a morte e a vida significam" Percy Shelley

Percy Bysshe Shelley, ou simplesmente Percy Shelley, nasceu dia 4 de agosto de 1792 em Sussex, Inglaterra. Poeta, escritor, tradutor e ensaísta, Shelley foi consagrado como um dos mais importantes nomes do Romantismo mundial e um dos princípios representantes da poesia lírica inglesa, cuja busca apaixonada pelo amor pessoal e pela justiça social foi gradualmente canalizada de ações observáveis a poemas que o levaram a uma alta posição na literatura inglesa. Percy Shelley era o mais velho entre sete irmãos, filhos de Elizabeth Pilfold e Timothy Shelley. Estudou na Sion House Academy, antes de ingressar na Universidade de Oxford, em 1804. O poeta, amante dos ideais produzidos pela Revolução Francesa, em 1789, não passou por bons momentos durante a sua estadia na universidade, pois a Inglaterra não era o melhor ambiente para o exercício de sua arte e de seu modo de pensar o mundo. Foi expulso da Universidade de Oxford, em companhia de Thomas Jefferson Hogg, por ter escrito, em 1811, um ensaio defendendo o ateísmo – “A Necessidade do Ateísmo” – e redigiu uma “Declaração de Direitos” com 31 artigos, considerados por ele como sendo os ideais. Percy Bysshe Shelley casou-se em 28 de agosto de 1811 com Harriet Westbrook (1795-1816) e teve dois filhos, Ianthe (1813–1876) e Charles, nascido em 1814. Para o espanto de sua esposa, Harriet, Shelley partiu para Londres onde permaneceu viajando por três anos, visitando bibliotecas e o jornalista William Godwin, considerado percussor da filosofia libertária e pai de Mary Wollstonecraft Godwin (1797-1851). Neste período, Shelley foi incentivado por William Wordsworth, também poeta, a continuar a escrever poesias, incluindo “A Philosophical Poem” (1813) e a participar de diversas atividades políticas. Junto a isso, Percy Shelley também estudou os escritos de Godwin e abraçou sua filosofia radical. Em meio ao seu contato com William Godwin, Shelley, mesmo casado, conheceu e apaixonou-se por sua filha, a igualmente intelectual e escritora Mary Wollstonecraft Godwin, que entre 1816 e 1817 viria a escrever “Frankenstein, ou O Moderno Prometeu” e em 1826 produziu “O Último Homem”, obra de ficção que influenciou toda uma geração do gênero e foi considerada sua melhor obra pela crítica. A ação não foi aprovada pelos pais de ambos e, a partir de então, lutaram sozinhos. Em 1814, Shelley abandonou sua esposa em definitivo e fugiu com Mary e sua irmã, Claire, para Suíça. Lorde George Gordon Byron, referência no que diz respeito à literatura romântica inglesa, também exilado de sua terra natal, era a companhia certa para o casal. Os encontros, na mansão de Byron, às margens do lago Genebra, produziram uma série de textos, poemas e romances de autoria de Byron, Polidori, Percy e Mary Shelley, que se casaram em 30 de dezembro de 1816, apenas algumas semanas após o suicídio de Harriet, primeira esposa de Percy, no Serpentine, em Hyde Park. Em 1818, Mary e Percy Shelley se mudaram para a Itália. Neste período, a produção do autor foi extensa, entre outros títulos: “Ozymandias” (1818), “O Banquete, de Platão” (Shelley traduziu do grego para o inglês em 1818), “Ode ao Vento do Ocidente” (1819), “Uma Defesa da Poesia” (1815, primeira publicação em 1840), “A uma Cotovia” (1820), “Adonais” (uma elegia dedicada ao poeta John Keats, após sua morte) e “Hellas” (ambos de 1821), sem contar a obra “O Triunfo da Vida”, sem finalização e publicado por sua esposa em 1824. No dia 8 de julho de 1822, Shelley em companhia de um amigo sai com um pequeno barco para navegar nas águas do mar Lígure. Uma tempestade se abateu sobre a região, fazendo com que o poeta viesse a falecer no naufrágio de sua embarcação, próximo a Livorno, na Itália, menos de um mês antes de completar 30 anos. Seu corpo permaneceu desaparecido por várias semanas até que o mar o lançou à praia, sendo cremado no mesmo local, por exigências sanitárias da autoridade local, próximo à Viareggio. O jornal inglês “The Courier” viria a comentar a cerca de sua morte: “Finalmente, Shelley terá a oportunidade de comprovar a existência ou não de Deus”. Byron, entretanto, endereçou uma correspondência ao editor John Murray, dizendo, “Vocês estão completa e brutalmente enganados sobre Shelley, que foi sem exceção o melhor e menos egoísta dos homens que já conheci”. Após a morte do Percy Bysshe Shelley, Mary e seus filhos mudaram-se para Londres e esta tomou para si a responsabilidade de organizar e publicar toda a vasta produção poética de seu marido. Percy Bysshe Shelley possui hoje um memorial na Universidade de Oxford, Inglaterra, e foi admirado por diversos pensadores e escritores como Karl Marx, Henry Stephens Salt, George Bernard Shaw, Bertrand Russell e William Butler Yeats. Seus poemas também foram base para músicas de Ralph Vaughan Williams e Samuel Barber.
   
Affonso Romano de Sant`Anna
Afonso Rodrigues de Aquino
Albert Pike
Alberto José Marchi Macedo
Alejandro Maciel
Almir Correia
Anne Brontë
Bram Stoker
Celso Abrahão
Charles Dickens
Charlotte Brontë
Christopher Knight
Cláudio Cruz
Dante Alighieri
Eça de Queirós
Elizabeth Gaskell
Emily Brontë
F. Scott Fitzgerald
Fábio Cyrino
Fernando Klein
Gaston Leroux
Guy de Maupassant
Henry James
Henryk Sienkiewicz
Herman Melville
Jane Austen
Johann Wolfgang von Goethe
John Buchan
John Donne
Jonas Ribeiro
José Castellani
Joseph Conrad
Jules Verne
L Frank Baum
Lew Wallace
Ligia Maria F. Cyrino
Luís Filipe Sarmento
Luís Vaz de Camões
Márcio Tadeu Anhaia de Lemos
Mary Shelley
Oscar Wilde
Percy Shelley
Regina Drummond
Ricardo Maffia
Richard Francis Burton
Robert Lomas
Robert Louis Stevenson
Rudyard Kipling
Sérgio Olímpio Gomes
Tânia Mara Marques Granato
Thomas Carlyle
Vasco Graça Moura
Virginia Woolf
Vitor Alexandre Chnee
William Shakespeare