Bram Stoker

     

   Autores

   
Obras do Autor

   Obras Impressas

Drácula de Bram Stoker

   Obras Digitais

Drácula

   
Abraham Stoker nasceu em 8 de novembro de 1847, em Clontarf, Dublin, Irlanda. Terceiro filho de um total de sete irmãos, sofreu nos primeiros anos de sua vida com uma saúde frágil que o impedia de até mesmo de se locomover. Neste período, o jovem Bram Stoker passava seu tempo ouvindo histórias de sua mãe e lendo compulsivamente livros e contos de terror sobrenaturais, fase que contribuiu muito para o seu desenvolvido criativo.

Aos 15 anos de idade ingressou no tradicional Trinity College de sua cidade natal e, mesmo com a saúde vulnerável, dedica-se com êxito às atividades esportivas. Imerso no ambiente acadêmico e intelectual, o jovem Stoker passou a integrar a chamada Sociedade Filosófica, onde teve a oportunidade de produzir um ensaio intitulado "Sensationalism in Fiction and Society". Posteriormente, ainda viria a ocupar a função de auditor da Sociedade Histórica e a presidir a Sociedade Filosófica.

No ano de 1866, Stoker, assim como seu pai, passou a trabalhar no funcionalismo público no castelo de Dublin. Formou-se em matemática em 1870, mas, mesmo graduado, dá continuidade aos estudos diariamente por meio período. O interesse de Stoker pelo teatro levou-o a oferecer-se voluntariamente como crítico do jornal Dublin Evening Mail. Suas críticas inteligentes e embasadas elevaram seu nome junto aos meios sociais, artísticos e intelectuais da cidade. Assim, passa a conviver com personalidades influentes chegando a conhecer Oscar Wilde, Arthur Conan Doyle e William Butler Yeats.

No ano de 1873, foi convidado a assumir a editoração do jornal Irish Echo (que mais tarde seria rebatizado como Halpenny Press), trabalhando sem remuneração salarial e por meio período. Entretanto, o impresso não obteve o sucesso esperado e Stoker abandonou a atividade no ano seguinte.

A partir deste momento, passou a produzir os seus primeiros contos e peças ficcionais que eram publicados em jornais da cidade. "The Chain of Destiny" foi seu primeiro trabalho na linha do terror sobrenatural, publicado em 1875 no periódico Shamrock.

No ano seguinte, o ator inglês Henry Irving assumiu a direção do Royal Lyceum Theatre, de Londres, e convidou Stoker a ocupar a função de gerente. Neste mesmo período, Stoker casou-se com a atriz Florence Balcombe, uma das mais belas mulheres Dublin e antiga pretendente de Oscar Wilde, entretanto esta optou pelo casamento com Stoker devido seu emprego e estabilidade junto ao governo.

Os primeiros anos em Londres foram bastante intensos e produtivos. Em 1879 publicou "The Duties of Clerks of Petty Sessions in Ireland"; no mesmo ano nasce Noel, único filho do casal. "Under the Sunset", uma coletânea de contos infantis, foi publicada em 1882. Neste momento, iniciou-se a fase mais criativa e próspera da vida de Bram Stoker.

Seu cargo no Lyceum Theatre o colocava em contato com o núcleo intelectual londrino. Assim, no final desta década, em 1889, publicou seu primeiro romance, "The People. Nos anos seguintes, são publicados "O Castelo da Serpente", "The Watter’s Mou", "Croken Sands" e "The Shoulder of Shasta".

Em maio de 1897, publicou a obra que incluiria seu nome definitivamente na literatura mundial: "Dracula". O romance epistolar, permeado pelo horror tétrico e sobrenatural, aborda a trajetória do diabólico conde Drácula, da Transilvânia à Inglaterra; pautado ainda por personagens célebres como Jonathan Harker e Abraham Van Helsing. A publicação de Drácula encontrou uma boa receptividade em alguns críticos que o consideraram uma rara combinação de um tema lúgubre com uma trama bem construída. Por outro lado, gerou opiniões contrárias em relação à abordagem e à temática tétrica. Na ocasião do lançamento, Stoker promoveu uma leitura do texto no Lyceum durante quatro horas. Entretanto, da mesma forma que o livro, as condições e referências usadas como base para sua composição, despertaram interesses e suposições por parte de críticos, estudiosos e leitores.

A inspiração para o enredo pode ter sido extraída de um sonho do autor no qual um vampiro emergia do túmulo. A obra "Carmilla", de Sheridan Le Fanu, de 1872, e "O Vampiro", de Polidori, de 1819, possivelmente influenciaram a temática e o aspecto literário da obra. Da mesma forma, o interesse de Stoker pela biografia de Vlad Tepes contribuiu para a elaboração do personagem principal. Ainda, a personalidade autoritária de Henry Irving pode se refletir nas características do próprio Conde Drácula, da mesma forma que o comportamento dominante de Florence sobre Stoker pode se referir inversamente na dominação de Drácula sobre o sexo feminino.

Nos anos seguintes, Stoker deu continuidade as suas atividades literárias em ainda foram publicados "Miss Betty" (1898), "Os sete dedos da morte" (1903) e "The Man" (1904), entre outras que não obtiveram o mesmo sucesso de Dracula.

A partir de 1905, a saúde de Stoker se deteriorou gradativamente: no mesmo ano, sofreu um derrame cerebral e contraiu a doença de Bright que afeta o funcionamento dos rins. Ainda sim, em 1906, publica, em homenagem ao amigo e sócio, "Personal Reminiscences of Henry Irving". Após três anos, é publicado "O Caixão da Mulher Vampiro" e em 1911 seu último romance intitulado "O Monstro Branco".

Em 20 de abril de 1912, em Londres, Abraham Stoker, autor de uma das maiores obras da literatura mundial, falece em sua casa na companhia de Florence. Após a morte do autor, Florence Stoker, que morreria apenas em 1937, passou a administrar o patrimômio literário do marido, publicando textos inéditos e cedendo permissão para que o teatrólogo Hamilton Deane adaptasse o romance para o teatro. Esta foi a primeira adaptação que a obra recebeu e contribuiu muito para sua popularização.
   
Affonso Romano de Sant`Anna
Afonso Rodrigues de Aquino
Albert Pike
Alberto José Marchi Macedo
Alejandro Maciel
Almir Correia
Anne Brontë
Bram Stoker
Celso Abrahão
Charles Dickens
Charlotte Brontë
Christopher Knight
Cláudio Cruz
Dante Alighieri
Eça de Queirós
Elizabeth Gaskell
Emily Brontë
F. Scott Fitzgerald
Fábio Cyrino
Fernando Klein
Gaston Leroux
Guy de Maupassant
Henry James
Henryk Sienkiewicz
Herman Melville
Jane Austen
Johann Wolfgang von Goethe
John Buchan
John Donne
Jonas Ribeiro
José Castellani
Joseph Conrad
Jules Verne
L Frank Baum
Lew Wallace
Ligia Maria F. Cyrino
Luís Vaz de Camões
Márcio Tadeu Anhaia de Lemos
Mary Shelley
Oscar Wilde
Percy Shelley
Regina Drummond
Ricardo Maffia
Richard Francis Burton
Robert Lomas
Robert Louis Stevenson
Rudyard Kipling
Sérgio Olímpio Gomes
Tânia Mara Marques Granato
Thomas Carlyle
Vasco Graça Moura
Virginia Woolf
Vitor Alexandre Chnee
William Shakespeare