Mário de Sá-Carneiro


Mário de Sá-Carneiro - (1890-1916)

Escritor português, natural de Lisboa, de infância e adolescência marcadas pela solidão, parte em 1912 para Paris para estudar Direito, porém jamais chegou a concluir os estudos: lançou-se a uma vida boêmia pelos cafés e salas de espetáculo, o que culminou na sua ligação emocional a uma prostituta.

Corroído pela neurose, Sá-Carneiro encarnou como ninguém as frustrações e os pesadelos de sua terra, dividida entre a nostalgia das glórias do passado e a atração pela modernidade europeia.

Em 1912, começa a corresponder-se com Fernando Pessoa, onde verifica-se o agravamento dos seus problemas emocionais e as ideias de suicídio. Em 1914, publica as obras "Dispersão" e "A confissão de Lúcio”.

Em 1915, com Fernando Pessoa e Almada Negreiros, integrou o primeiro grupo modernista português que, inspirado pelas vanguardas europeias, pretendia escandalizar a sociedade burguesa e urbana, produziu a edição da revista literária “Orpheu” a qual provocou impacto e polémicas nos meios literários portugueses. No mesmo ano regressa à Paris, onde as suas crises de depressões são agravadas por suas dificuldades financeiras.

Em 26 de Abril do mesmo ano, num quarto do Hôtel Nice, em Paris, comete suicídio com o recurso de cinco frascos de estricnina. A obra de Mário de Sá-Carneiro, intimamente relacionada à sua vivência pessoal, revela toda a sua inadaptação ao mundo e a constante busca do seu próprio eu.



Obras do Autor



EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

[email protected]