Teatro Completo de Oscar Wilde - Volume I
Teatro Completo de Oscar Wilde - Volume I
Autor
Oscar Wilde
Tradução e notas
Doris Goettems
Adaptação
***************
Ilustrador
***************
Idioma
Português-Inglês
Lançamento
08/2011
Acabamento
Brochura
Formato
16cm x 23cm
Páginas
392
Peso
530 g
ISBN - Livros
ISBN 9788580700053
ISBN - Digital
ISBN 9788580700060
Compre Agora

Versão Física
Versão digital
Sinopse
Neste primeiro volume da coleção são apresentadas quatro das peças escritas por Oscar Wilde: “Vera, ou os Niilistas”, “A Duquesa de Pádua”, “O Leque de Lady Windermere” e a “A Importância de Ser Constante”.

VERA OU OS NIILISTAS
“Vera, ou os Niilistas” é uma tragédia melodramática cuja ambientação ocorre na Rússia e foi a primeira peça que Wilde escreveu para teatro, estreiando no Reino Unido em 1880 e em Nova York em 1881. A obra, uma versão reescrita de “Romeu e Julieta”, com toques de “Macbeth”, ambas as peças escritas por William Shakespeare, apresenta momentos de brilhantismo, apresentando o movimento niilista na Rússia e a posição do socialismo da época. Vera trabalha na taberna de seu pai, situada ao longo de uma estrada para os campos de prisão da Sibéria quando um grupo de prisioneiros pára na taverna e Vera reconhece imediatamente seu irmão, Dmitri, como um dos prisioneiros. Ele lhe implora para que ela vá até Moscou juntar-se aos niilistas, um grupo de terroristas que está tentando assassinar o Czar, como forma de vingar a sua prisão.

A DUQUESA DE PÁDUA
“A Duquesa de Pádua” é uma peça de inspiração elizabetana, escrita no ano de 1883 no Hôtel Voltaire em Paris, para a atriz Mary Anderson. É um conto de vingança, assassinato, traição, amor e redenção no século XVI, onde Guido Ferranti pretende vingar a morte de seus pais, entretanto, Guido é transformado pelo amor e terá a difícil missão de decidir se desiste de sua vingança ou se vive a sua grande paixão.

O LEQUE DE LADY WINDERMERE
O Leque de Lady Windermere é uma comédia, apresentada pela primeira vez em 22 de fevereiro de 1892 no St James Theatre, em Londres, que satiriza a moral da sociedade vitoriana. A história trata de Lady Windermere que tem um casamento feliz, até que uma fofoca da sociedade londrina a faz suspeitar da fidelidade de seu marido. Em busca de provas, ela comprova que Lorde Robert Windermere está dando frequentemente grande somas de dinheiro para a Sra. Erlynne. Irritada com a infidelidade do marido, ela pretende se vingar, cometendo adultério. Depois de descobrir o que realmente aconteceu e ainda traumatizada pelo abandono de sua mãe há mais de vinte anos, a Sra. Erlynne segue Lady Windermere e tenta convencê-la a voltar para seu marido, pois tudo não passou de um grande engano, sacrificando-se a si mesma e sua reputação a fim de salvar o casamento de Lady Windermere.

A IMPORTÂNCIA DE SER CONSTANTE
A Importância de Ser Constante é uma comédia que estreou em 14 de fevereiro de 1895 no Teatro St. James, em Londres. Situada na Inglaterra durante a era vitoriana, o humor da peça encontra-se na manutenção de identidades fictícias dos personagens para escapar das indesejadas obrigações sociais. Jack Worthing é um homem solteiro e rico, que possui um irmão imaginário chamado Constante. Ele utiliza este nome para ir até a cidade e agir de forma imprudente sem se preocupar com as consequências de seus atos. Em uma de suas idas à cidade ele se apaixona por Gwendolyn Fairfax, porém sua mãe, Lady Bracknell, desaprova o relacionamento por não conhecer a origem da família de Ernest. Jack quando bebê fora abandonado e um homem muito gentil o criou, deixou-lhe uma fortuna e a tutela de Cecily Cardew. Aproveitando a ausência de Jack, seu melhor amigo Algy Moncrieff utiliza de seu amigo imaginário Constante para conhecer Cecily e eles se apaixonam; é quando Jack chega, seguido por Gwendolyn e Lady Bracknell. Assim os dois “Constantes” tem suas identidades reveladas. A Importância de Ser Constante marca o auge da carreira teatral de Oscar Wilde e marca também o seu declínio, pois foi em sua estreia que o Marques de Queensberry, pai de Alfred Douglas, amigo íntimo de Oscar Wilde, iniciou a sua empreitada contra o escritor.

TEATRO COMPLETO traz a produção teatral da vida do escritor Oscar Wilde, nome de um dos maiores autores da língua inglesa.

Conheça mais sobre Oscar Wilde


(1854-1900)

Nascido em Dublin, Irlanda, viveu em Londres, a efervescente capital inglesa, entre escritores e figuras de destaque da época e enaltecido por importantes figuras literárias, como o dramaturgo George Bernard Shaw, o poeta norte-americano Walt Whitman e o escritor francês Stéphane Mallarmé. Tornou-se uma pessoa indispensável e comentada em todos os eventos sociais e círculos intelectuais.

Embora bem conhecido, Wilde recebeu pouco reconhecimento pela sua obra durante anos até à estreia de “O Leque de Lady Wildermere” que consolidou a sua fama como dramaturgo a partir de 1892. O simulacro, o homem e o seu retrato eram a maneira que o autor utilizava para relacionar-se com o mundo, mas o período do seu sucesso foi extremamente curto.

Condenado a dois anos de trabalhos forçados, após um desastroso processo contra o Marquês de Queensberry, Wilde mudar-se-ia da Inglaterra em 1897, após todas as suas peças teatrais serem retiradas de cartaz e a sua produção literária ser recolhida das livrarias. Em França, adotou o pseudônimo de Sebastian Melmoth e, na companhia de Robert Ross, publicou “A Balada do Cárcere de Reading” e “A Alma do Homem sob o Socialismo”, as suas últimas produções literárias. Logo após, fixou residência em Paris, onde corrigiu e publicou “Um Marido Ideal” e “A Importância de Ser Constante”, demonstrando que encontrava-se no comando de si e de todo o seu talento literário. Todavia recusou-se a escrever qualquer novo material, declarando que “posso continuar a escrever, mas perdi a satisfação para tal”.

A 30 de novembro de 1900, Wilde, empobrecido, esquecido e doente, veio a falecer num quarto do Hôtel d’Alsace, em Paris. Como legado, deixou-nos uma obra admirável, representada por diversos contos, um romance, inúmeras poesias e peças teatrais que até hoje são encenadas.



Do mesmo autor



EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

editora@editoralandmark.com.br