Teatro Completo de Oscar Wilde - Volume I
Teatro Completo de Oscar Wilde - Volume I
Autor
Oscar Wilde
Tradução e notas
Doris Goettems
Adaptação
***************
Ilustrador
***************
Idioma
Português-Inglês
Lançamento
08/2011
Acabamento
Brochura
Formato
16cm x 23cm
Páginas
392
Peso
500 g
ISBN - Livros
ISBN 9788580700053
ISBN - Digital
ISBN 9788580700060
Compre Agora

Versão Física

Versão digital
Sinopse
Neste primeiro volume da coleção, a Editora Landmark apresenta, em inédita edição bilíngue, quatro das nove peças escritas por Oscar Wilde:

“VERA, OU OS NIILISTAS” é uma tragédia melodramática cuja ambientação ocorre na Rússia e foi a primeira peça que Wilde escreveu para teatro, estreando no Reino Unido em 1880 e em Nova York em 1881. A obra, uma versão reescrita de “Romeu e Julieta”, com toques de “Macbeth”, apresenta momentos de brilhantismo, fornecendo uma visão do movimento niilista na Rússia e a posição do socialismo da época. Vera trabalha na taberna do pai, ao longo duma estrada para os campos de prisão da Sibéria quando um grupo de prisioneiros pára ali; é nesse momento que Vera reconhece o irmão, Dmitri, como um dos prisioneiros. Ele lhe implora para que ela vá até Moscou juntar-se aos niilistas, um grupo de terroristas que está tentando assassinar o Czar e mudar o sistema político na Rússia, como forma de vingar a sua prisão.

“A DUQUESA DE PÁDUA” é uma peça de inspiração elizabetana, escrita no ano de 1883 no Hôtel Voltaire em Paris, para a atriz Mary Anderson. É um conto de vingança, assassinato, traição, amor e redenção no século 16, onde Guido Ferranti pretende vingar a morte de seus pais, entretanto, Guido é transformado pelo amor e terá a difícil missão de decidir se desiste de sua vingança ou se vive a sua grande paixão.

“O LEQUE DE LADY WINDERMERE” é uma comédia, apresentada pela primeira vez em 22 de fevereiro de 1892 no teatro St James, em Londres, que satiriza a moral da sociedade vitoriana. A história trata de Lady Windermere que tem um casamento feliz, até que uma fofoca da sociedade londrina a faz suspeitar da fidelidade de seu marido. Em busca de provas, ela descobre que Lorde Windermere tem dado grandes somas de dinheiro para Erlynne. Depois de descobrir o que aconteceu, Erlynne segue Lady Windermere e tenta convencê-la a voltar para seu marido, pois tudo não passará de um grande engano, sacrificando-se a si mesma e sua reputação a fim de salvar o casamento de Lady Windermere.

“A IMPORTÂNCIA DE SER CONSTANTE” é uma comédia de costumes que estreou em 14 de fevereiro de 1895. Situada na Inglaterra durante a era vitoriana, o humor da peça encontra-se na manutenção de identidades fictícias dos personagens para escapar das indesejadas obrigações sociais. Jack é um homem solteiro e rico que possui um irmão imaginário chamado Constante. Ele SE utiliza Deste nome para ir até a cidade e agir de forma imprudente sem se preocupar com as consequências de seus atos. Em uma de suas idas à cidade ele se apaixona por Gwendolyn . Aproveitando a ausência de Jack, seu melhor amigo Algy utiliza de seu amigo imaginário para conhecer Cecily e eles se apaixonam; é quando Jack chega, seguido por Gwendolyn. Assim os dois “Constantes” têm suas identidades reveladas. “A Importância de Ser Constante” marca o auge da carreira teatral de Wilde e marca também o seu declínio, pois foi em sua estreia que o Marquês de Queensberry, pai de Alfred Douglas, amigo íntimo de Oscar Wilde, iniciou sua empreitada contra o escritor.
Compre em Nossos Parceiros

Conheça mais sobre Oscar Wilde


(1854-1900)

Nascido em Dublin, Irlanda, viveu em Londres, a efervescente capital inglesa, entre escritores e figuras de destaque da época e enaltecido por importantes figuras literárias, como o dramaturgo George Bernard Shaw, o poeta norte-americano Walt Whitman e o escritor francês Stéphane Mallarmé. Tornou-se uma pessoa indispensável e comentada em todos os eventos sociais e círculos intelectuais.

Embora bem conhecido, Wilde recebeu pouco reconhecimento pela sua obra durante anos até à estreia de “O Leque de Lady Wildermere” que consolidou a sua fama como dramaturgo a partir de 1892. O simulacro, o homem e o seu retrato eram a maneira que o autor utilizava para relacionar-se com o mundo, mas o período do seu sucesso foi extremamente curto.

Condenado a dois anos de trabalhos forçados, após um desastroso processo contra o Marquês de Queensberry, Wilde mudar-se-ia da Inglaterra em 1897, após todas as suas peças teatrais serem retiradas de cartaz e a sua produção literária ser recolhida das livrarias. Em França, adotou o pseudônimo de Sebastian Melmoth e, na companhia de Robert Ross, publicou “A Balada do Cárcere de Reading” e “A Alma do Homem sob o Socialismo”, as suas últimas produções literárias. Logo após, fixou residência em Paris, onde corrigiu e publicou “Um Marido Ideal” e “A Importância de Ser Constante”, demonstrando que encontrava-se no comando de si e de todo o seu talento literário. Todavia recusou-se a escrever qualquer novo material, declarando que “posso continuar a escrever, mas perdi a satisfação para tal”.

A 30 de novembro de 1900, Wilde, empobrecido, esquecido e doente, veio a falecer num quarto do Hôtel d’Alsace, em Paris. Como legado, deixou-nos uma obra admirável, representada por diversos contos, um romance, inúmeras poesias e peças teatrais que até hoje são encenadas.



Do mesmo autor



EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

editora@editoralandmark.com.br