Teatro Completo de Oscar Wilde - Volume II
Teatro Completo de Oscar Wilde - Volume II
Autor
Oscar Wilde
Tradução e notas
Doris Goettems
Adaptação
***************
Ilustrador
***************
Idioma
Português-Inglês
Lançamento
10/2014
Acabamento
Brochura
Formato
16cm x 23cm
Páginas
352
Peso
480 g
ISBN - Livros
ISBN 9788580700077
ISBN - Digital
ISBN 9788580700084
Compre Agora

Versão Física

Versão digital
Sinopse
Neste segundo volume, a Editora Landmark apresenta, em inédita edição bilíngue, cinco das nove peças escritas por Oscar Wilde:

SALOMÉ drama poético, escrito em 1892 em francês e traduzido para o inglês em 1894, para ser representado por Sarah Bernhardt, em Paris. João Batista, um profeta muito popular, está encarcerado na masmorra do palácio de Herodes Antipas por denunciar a corrupção e a imoralidade na corte. Ele é desejado por Salomé, criada na corte do tio, Herodes Antipas. Porém João Batista a repele com desgosto e recomenda que ela se redima de seus pecados. Em uma festa no palácio, Herodes Antipas pede para que a sobrinha dance para ele. Entusiasmado com a performance e feliz por ter agradado os convidados ele se compromete em lhe dar uma recompensa, então fica estarrecido com o pedido de Salomé: a cabeça de João Batista, numa bandeja de prata.

UMA MULHER SEM IMPORTÂNCIA é a segunda comédia de sociedade que Oscar Wilde escreveu, em 1892, e teve a sua estreia em 19 de Abril de 1893, no Haymarket Theatre, em Londres e conta a história de um jovem ambicioso, Gerard, filho ilegítimo, que se vê forçado a escolher entre o pai, um influente aristocrata, e sua mãe, uma mulher sem importância. Quando Illingworth lhe oferece um emprego como seu secretário, Gerard fica radiante com a possibilidade de entrar para a sofisticada sociedade, porém sua mãe esconde um segredo há vinte anos que pode destruir a felicidade de seu filho. Como ela poderá mostrar a Gerard que o senhor Illingworth, contrariamente às aparências é um homem sem importância? O personagem de Lorde Illingworth é um impressivo alter-ego do autor.

UM MARIDO IDEAL é uma comédia escrita em 1895 que gira em torno de chantagem e corrupção política. Sir Robert é um homem bem sucedido em todos os aspectos, um político excepcional, tem amizade com muitas pessoas influentes e um casamento perfeito com Gertrude. Quando está preste a ser nomeado para o gabinete, a sedutora Lady Laura surge com uma carta que esconde um segredo do seu passado, chantageando caso não defenda um projeto, do qual ela fez um grande investimento financeiro. Quando sua vida parece estar arruinada, Sir Robert pede ajuda a Arthur Goring, um solteiro festeiro e muito namorador, para salvar seu casamento.

UMA TRAGÉDIA FLORENTINA é um fragmento de uma tragédia que nunca foi concluída por Oscar Wilde. A ambientação da peça acontece na Florença Renascentista e conta o caso de amor ilícito entre o príncipe Guido e a plebeia Bianca. Quando seu marido, o rico comerciante Simon, volta para casa depois de semanas ausente, encontra sua esposa em companhia de um homem que se apresenta como Guido, Simon finge hospitalidade e o príncipe começa a ficar incomodado. Ele pede que Bianca traga uma garrafa de vinho para comemorar a visita honorável no príncipe. Simon diz que também tem uma espada e propõe um duelo para ver qual das duas espadas é a melhor.

A SANTA CORTESÃ é uma peça inacabada que Oscar Wilde escreveu em 1894. O projeto original foi deixado em um táxi pelo autor, e apenas um fragmento sobreviveu até os dias atuais. Explora uma das grandes obsessões de Wilde: o paradoxo do hedonismo religioso e a piedade pagã. Conta a história de uma prostituta de beleza inigualável que faz uma peregrinação ao deserto para procurar um belo e jovem eremita, um homem muito santo, que vive uma vida de oração. No final, os dois personagens percebem um está vivendo a vida do outro, de acordo com algum tipo de plano divino.
Compre em Nossos Parceiros

Conheça mais sobre Oscar Wilde


(1854-1900)

Nascido em Dublin, Irlanda, viveu em Londres, a efervescente capital inglesa, entre escritores e figuras de destaque da época e enaltecido por importantes figuras literárias, como o dramaturgo George Bernard Shaw, o poeta norte-americano Walt Whitman e o escritor francês Stéphane Mallarmé. Tornou-se uma pessoa indispensável e comentada em todos os eventos sociais e círculos intelectuais.

Embora bem conhecido, Wilde recebeu pouco reconhecimento pela sua obra durante anos até à estreia de “O Leque de Lady Wildermere” que consolidou a sua fama como dramaturgo a partir de 1892. O simulacro, o homem e o seu retrato eram a maneira que o autor utilizava para relacionar-se com o mundo, mas o período do seu sucesso foi extremamente curto.

Condenado a dois anos de trabalhos forçados, após um desastroso processo contra o Marquês de Queensberry, Wilde mudar-se-ia da Inglaterra em 1897, após todas as suas peças teatrais serem retiradas de cartaz e a sua produção literária ser recolhida das livrarias. Em França, adotou o pseudônimo de Sebastian Melmoth e, na companhia de Robert Ross, publicou “A Balada do Cárcere de Reading” e “A Alma do Homem sob o Socialismo”, as suas últimas produções literárias. Logo após, fixou residência em Paris, onde corrigiu e publicou “Um Marido Ideal” e “A Importância de Ser Constante”, demonstrando que encontrava-se no comando de si e de todo o seu talento literário. Todavia recusou-se a escrever qualquer novo material, declarando que “posso continuar a escrever, mas perdi a satisfação para tal”.

A 30 de novembro de 1900, Wilde, empobrecido, esquecido e doente, veio a falecer num quarto do Hôtel d’Alsace, em Paris. Como legado, deixou-nos uma obra admirável, representada por diversos contos, um romance, inúmeras poesias e peças teatrais que até hoje são encenadas.



Do mesmo autor



EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

[email protected]