O homem que sabia javanês e outros contos selecionados
O homem que sabia javanês e outros contos selecionados
Autor
Lima Barreto
Tradução e notas
Francisco Araújo da Costa
Adaptação
Sávio Ramos Silva
Ilustrador
***************
Idioma
Português-Inglês
Lançamento
09/2019
Acabamento
Capa Dura
Formato
16cm x 23cm
Páginas
272
Peso
460 g
ISBN - Livros
9858580700664
ISBN - Digital
---------
Compre Agora

Sinopse
Lima Barreto é um escritor atemporal, apesar de retratar como poucos, o seu tempo e a sua terra.

Militante e panfletário, ele transformou a sua vasta produção literária – uma obra com dezessete volumes, entre eles romances, crônicas (que publicou em dezenas de jornais e revistas do Rio de Janeiro), contos, memórias e críticas literárias – em uma ativa tribuna de combate ao preconceito racial e à discriminação social, transformando o ato de escrever um ato político, onde debatia e demonstrava o seu ponto de vista que por vezes sobrepujava os limites literários.

Deste ponto de vista, a totalidade da sua obra encontra-se mais atual e viva do que nunca.

Fruto de sua época, nascido livre sete anos antes da Abolição da Escravatura, a produção literária de Lima Barreto é marcada pela investigação das desigualdades sociais e por uma leitura crítica sobre os homens e as suas relações frente a uma sociedade provinciana e hipócrita. É permeada por altos níveis de criatividade e realização estética, que por vezes renuncia as preocupações artísticas em prol de uma literatura documental, de increpação dos problemas sociais e políticos. Escrevia com uma linguagem simples, fugindo ao estilo literário comum do seu tempo, o que lhe valeu o desprezo da Academia Brasileira de Letras para A qual se candidatara duas vezes, tendo desistido da terceira antes mesmo da realização das eleições.

Os treze contos apresentados nesta edição bilíngue apresentam toda a luta de Lima Barreto para romper as barreiras sociais, políticas e do vazio intelectual da sua época. Demonstram também como instigava o senso crítico dos seus leitores como, por exemplo, com relação ao fascínio pela falsa erudição em “O homem que sabia javanês”; com relação ao preconceito racial, principalmente em “Clara dos Anjos”; com relação à sátira da alma gananciosa do ser humano em “A nova Califórnia”, em “Numa e a Ninfa” e “Sua Excelência”; e contra o materialismo vazio e estúpido, a promiscuidade e os desejos espúrios da sociedade carioca em “Um e Outro”, “Miss Edith e seu tio” e nos diversos contos selecionados para esta coletânea.

Atualmente, seu acervo de mais de mil documentos e textos, encontra-se preservado na Divisão de Manuscritos da Biblioteca Nacional e foi incluído no Programa de Memória do Mundo, organizado pela Unesco.
Compre em Nossos Parceiros

Conheça mais sobre Lima Barreto


AFONSO HENRIQUES DE LIMA BARRETO, ou simplesmente LIMA BARRETO (1881-1922), foi um importante escritor do pré-Modernismo brasileiro. Nasceu em Laranjeiras, no Rio de Janeiro em 13 de maio de 1881, de pais mestiços e pobres e enfrentou o preconceito durante toda a sua vida. Teve de abandonar os estudos para sustentar a sua família após a morte da mãe e a internação do pai em um asilo de alienados.

Trabalhou a vida toda como escriturário no Ministério da Guerra, ao mesmo tempo em que começou a escrever para o jornal “Correio da Manhã” e várias revistas da época. Estreou na literatura em 1909, com a publicação do romance “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”.

A sua obra, marcadamente de protesto e de denúncia, apresenta muitas vezes um tom autobiográfico e de crônica e é caracterizada como um brado de revolta implacável de sátira ao apego da sociedade aos títulos, bem como às instituições políticas da época, a sua burocracia e a sua inoperância, além de forte crítica social ao retratar os subúrbios cariocas na virada do século, com o uso de uma linguagem simples e coloquial. Para ele escrever tinha a finalidade de criticar o mundo circundante para despertar alternativas renovadoras de costumes e de práticas que privilegiavam certas classes sociais, indivíduos e grupos. Ao produzir uma literatura inteiramente desvinculada dos padrões e do gosto vigente, recebeu severas críticas dos círculos tradicionais da literatura: marcado por um espírito inquieto e rebelde, revelou o seu inconformismo com a mediocridade social e com o racismo vigentes.

Viveu uma vida boêmia e solitária e acabou por se entre-gar ao alcoolismo, o que o levou a longos períodos de internação, na Colônia de Alienados na Praia Vermelha, em virtude das alucinações que o perseguiam. Lima Barreto faleceu na cidade do Rio de Janeiro no dia 1o de novembro de 1922, vítima de um colapso cardíaco, em razão do alcoolismo.



Do mesmo autor



EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

[email protected]