A Editora Landmark na Imprensa
"Editora Landmark lança os ""Contos Completos"" do autor irlandês em edição única.

No próximo mês serão completados 150 anos de nascimento do escritor irlandês Oscar Wilde, um dos maiores nomes da literatura inglesa. Mas as comemorações já começaram. A editora paulista landmark acaba de colocar no mercado Contos Completos, que, pela primeira vez no Brasil, reúne as histórias curtas do autor em um único volume e em edição bilíngüe (português e o original inglês).

""Ele tem uma riqueza no modo de descrever, um senso estético apurado e faz crítica social"", diz Fábio Cyrino, editor da landmark, que pretende lançar no início do ano que vem os sonetos completos de outro gênio das letras inglesas, William Shakespeare (1564-1616). O livro recém-lançado reúne os contos de quatro livros - ""O Príncipe Feliz e Outras Histórias"", ""O Retrato do Sr. W.H."", ""O Crime de Lorde Arthur Savile e Outras Histórias"" e ""A Casa das Romãs"", publicados entre 1888 e 1891.

O primeiro e o último livros, originalmente destinados para as crianças, trazem mensagens subliminares - ou nem tanto - de crítica social. Apesar de não ter sido um militante pelos direitos dos menos favorecidos da Inglaterra vitoriana, já que pregava a arte pela arte, o autor retratou a extrema carência e o sofrimento das classes baixas da sociedade industrializada - na segunda metade do século 19.

Nesses textos, Wilde recorre a elementos típicos dos contos de fada, como emprestar vida humana a objetos e animais. Para além das espezinhadas na diferença de classes, o escritor construiu textos tocantes sobre o amor e a amizade, sem cair na pieguice. Nem sempre com os tradicionais finais felizes ou óbvias morais da história, os contos, como toda a obra de Wilde, apresentam caracterizações e descrições ricas e detalhadas.

Conhecido por sua sagacidade e inteligência aguda, muitas vezes a serviço da polêmica, Wilde sustenta em ""O retrato do senhor W. H."" a teoria do personagem sobre quem seria o tal Sr. W. H. a quem William Shakespeare dedicou seus sonetos. Rompendo tabus da época, homens falam abertamente sobre a beleza masculina e a possível bissexualidade de Shakespeare. Apesar de casado e pai de dois filhos, Oscar Wilde era homossexual e passou dois anos na prisão por ""sodomia"", então considerada crime na Inglaterra. O processo contra ele foi movido pelo pai de seu namorado, o lorde Alfred ""Bosie"" Douglas - o grande amor de sua vida.

Em seu conto mais famoso, ""O Fantasma de Canterville"", Wilde traça um retrato irônico e engraçado dos norte-americanos, a partir da história de um ministro da terra de tio Sam que se muda com a família para um casa mal-assombrada na Inglaterra. É interessante ver as diferenças que aponta entre as elites de ambos países e até a já notória mania norte-americana por produtos infalíveis. Quando deparam com uma mancha de sangue, o filho mais velho do ministro diz: ""Isso é bobagem. O Removedor de Manchas Campeão Pinkerton e o Detergente Modelo limparão isso num instante"". Mistério envolvendo previsões de um quiromante são o mote de ""O Crime de Lorde Arthur Savile"".

Além dos contos, Wilde teve uma produção literária variada. Escreveu peças, que o celebrizaram em vida, como ""Uma Mulher sem Importância"" (1893), ""Um Marido Ideal"" (1893) e ""A I Importância de Ser Prudente"" (1895), um romance (o clássico ""O Retrato de Dorian Gray"", de 1891), poesia e aforismos. Durante os dois anos que passou na prisão (1895-1897), onde foi submetido a trabalhos forçados, ele escreveu ""De Profundis"", uma longa carta de amor a Bosie. Quando libertado, revelou a angustiante experiência em ""Balada do Cárcere de Reading"". Wilde morreu de meningite em 1900, em Paris, e seu corpo está enterrado no cemitério Père Lachaise - o mesmo que abriga nomes como Jim Morrison, Edith Piaf e Marcel Proust.

Augusto Pinheiro"

EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

[email protected]