A Editora Landmark na Imprensa
"""O único modo de se livrar da tentação é ceder a ela"", diz o personagem Lorde Henry Wotton em certo ponto de ""O Retrato de Dorian Gray"", único romance do dramaturgo e escritor irlandês Oscar Wilde (1854-1900), recém-lançado em edição bilínguenn. A publicação chega ao país pela editora Landmark, baseada na versão original de 1890, antes de uma revisão imposta pelos editores da época para abrandar o conteúdo do clássico.

Hedonista e cínico, Henry é quem atrai o jovem e ingênuo protagonista, Dorian Gray, para o mundo dos prazeres imediatos e irresponsáveis. Dotado de extrema beleza, Gray é fonte de inspiração para o pintor Basil Hallward.

O jovem, no entanto, é mais que um simples modelo para o artista. Ele é a razão de todo o entusiasmo criativo de Basil, que, ao retratar Dorian, pinta sua obra-prima. Por ter colocado muito de si no quadro, o pintor prefere dá-lo de presente ao jovem ""muso"", em vez de expor a obra.

Como Narciso, Dorian Gray apaixona-se por si mesmo, ao ver o retrato pronto. No instante em que a pintura lhe é revelada, ele manifesta um louco desejo de permanecer jovem e de que o retrato envelheça em seu lugar.

Nesse meio tempo, sua relação com Lorde Henry torna-se mais próxima e íntima, e a influência deste sobre o belo rapaz torna-se crescente, até o momento em que Gray supera em egoísmo e hedonismo o caráter seu novo ""tutor"".

Dorian Gray entrega-se a toda espécie de vícios e prazeres, morais e imorais. Passam-se os anos e, misteriosamente, contrariando a natureza humana, ele se mantém belo e jovem, enquanto os demais personagens envelhecem e sofrem com as marcas da idade. O desfecho da obra é surpreendente.

Original

A versão em que se baseia a presente edição foi publicada em 1890 na revista literária norte-americana ""Lippincott’s Monthly Magazine"". Muito conhecido do público nos Estados Unidos, onde esteve em 1882 para realizar uma palestra sobre o recém-criado movimento do Esteticismo, o autor alcançou sucesso imediato com a obra.

Em abril do ano seguinte, o romance sofreu modificações, e sua versão ampliada foi publicada pela casa editorial inglesa Ward, Lock and Bowden Company. Em vez de 13 capítulos, a obra passou a ter 20, após uma série de exigências dos editores, que queriam suavizar a trama, embora sem perder o foco principal.

Oscar Wilde inseriu mais quatro capítulos (3, 5, 15, e 18 na versão de 1891) e dividiu o último em dois. As alterações mais substanciais pretendiam abrandar a influência negativa de Lorde Henry sobre Dorian Gray e moderar o tom homoerótico das relações entre os dois personagens e o pintor Basil Hallward. É curioso notar que o próprio escritor, homossexual, foi vítima de preconceitos de certa parte da sociedade e da crítica literária, que o acusavam constantemente de imoral por conta de seu comportamento e, até mesmo, de seu visual.

A trama de ""O Retrato de Dorian Gray"" foi inspirada por uma situação vivida pelo autor. Em 1884, Wilde visitou o estúdio da pintora Basil Ward, que acabara de concluir o retraro de um jovem modelo. Na ocasião, Wilde teria dito: ""É uma pena que tal gloriosa criatura um dia envelheça"". Basil concordou e acrescentou que seria maravilhoso se o modelo permanecesse jovem e belo e, em seu lugar, o quadro ganhasse as marcas do tempo.

A partir daí, Wilde elaborou o romance, no qual desenvolve alguns dos conceitos do Esteticismo, que defendia o ""belo"" como única solução contra tudo o que denegria a sociedade da época.

Além disso, ""O Retrato de Dorian Gray"" dialoga com a popular lenda alemã protagonizada pelo doutor Johannes Georg Faust, que serviu de base para diversos romances – cuja versão mais conhecida é a tragédia ""Fausto"", lançada em 1806, escrita em versos por Johann Wolfgang von Goethe (1749-1832).

De acordo com a lenda, o médico Fausto faz um pacto com o demônio (Mefistófeles), a fim de viver por 24 anos, sem envelhecer, desejoso de superar os conhecimentos de sua época e de entregar-se aos prazeres mundanos. Durante esse tempo, de acordo com o contrato assinado com o próprio sangue do protagonista, o diabo serviria a Fausto, em troca de sua alma.

Leia sem parar "

EDITORA LANDMARK LTDA.
Rua Alfredo Pujol, 285 - 12º andar - Santana - 02017-010 – São Paulo - SP - Brasil
Tel.: +55 (11) 2711 2566 / 2950 9095

editora@editoralandmark.com.br